‘Investimento zero’ do governo Temer contra a homofobia

Por Gabriela Mestre

Com supervisão de Lucas Lyra

Os projetos específicos de combate à homofobia no país vivenciam, gradativamente, sua decadência. No ano de 2008, os repasses federais para os planos desse campo corresponderam a R$ 3 milhões. Os investimentos começaram a ser cortados em 2015, e no ano seguinte, atingiram o valor de R$ 519 mil. Em 2017, no governo de Michel Temer, esses números foram zerados.

De acordo com o Ministério dos Direitos Humanos os investimentos ainda existem, porém, voltados para campanhas de conscientização. Para o diretor-presidente da Aliança Nacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e pessoas Intersex (LGBTI), Toni Reis, essa medida não tem a eficácia de projetos com focos mais particulares.

Em 2008, o governo havia criado programas como “Fomento a Projetos de Combate à Homofobia”, “Apoio a Serviços de Prevenção e Combate à Homofobia” e “Banco de Dados sobre Cidadania Homossexual e Combate à Homofobia”, que receberam recursos da somatória de R$ 15,1 milhões já desembolsados para a defesa da população LGBT. Hoje, as únicas aplicações são para campanhas publicitárias de conscientização da Secretaria de Comunicação da Presidência (Secom).

O Brasil é líder no ranking de homicídios de travestis e transexuais. Até o dia 20 de setembro, o país alcançou seu maior índice de registros de homicídios: 277, segundo a ONG Grupo Gay da Bahia (GGB), o que significa uma média de um assassinato por dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *