Mistérios rondam saúde do presidente. Confira na coluna desta sexta-feira este e outros assuntos

Há mistérios sobre o quadro clínico de Temer

Corre a boca pequena na Praça dos Três Poderes especulações sobre o verdadeiro quadro clínico do presidente Michel Temer. Ele passou por novo procedimento para desobstrução urinária no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, devendo receber alta ainda hoje, o que era para ter acontecido ontem. Além disso, o presidente foi impedido pelo médico Roberto Kakil Filho, chefe da equipe que o atende, de viajar pelos próximos 35 dias. Temer tinha viagem de 5 a 13 dias pela Ásia, no início de janeiro, mas teve que cancelar. Só poderá marcar nova saída do Brasil para depois do dia 20 de janeiro. Até lá continuará usando uma sonda na ureta e manterá o máximo de repouso possível, embora esteja liberado para cumprir agendas em Brasília. É bom lembrar que ainda recentemente o presidente passou por procedimentos para desobstrução de artérias coronárias.

Lula terá novo interrogatório em fevereiro

O início de 2018 não será nada bom para o ex-presidente Lula. Além do julgamento dele em segunda instância, pelo TRF4, de Porto Alegre, agora foi marcado um novo interrogatório. Desta vez o petista será ouvido pelo juiz federal Vallisney Oliveira, da 10ª Vara da Justiça Federal em Brasília, no âmbito da Operação Zelotes. O depoimento será no dia 20 de fevereiro. A ação penal, na qual o filho de Lula também é réu, investiga suposto tráfico de influência de Lula na compra de caças Gripen, fabricados pela empresa sueca Saab.

Lula sobe e Bolsonaro cai em nova pesquisa

Uma nova pesquisa, desta vez do Data Poder360, mostra o ex-presidente Lula vencedor no primeiro e no segundo turnos. O levantamento foi realizado de 8 a 11 de dezembro. No primeiro turno, independente dos concorrentes, Lula tem exatos 29,9% e Jair Bolsonaro (PSC), 21,7%. No segundo turno, Lula, com 41%, venceria Geraldo Alckmin (PSDB) e Bolsonaro (PSC) pelo mesmo percentual de votos. O tucano perderia com 28% e Bolsonaro, 30%. Alkckmin também aparece como o candidato com maior rejeição, com 62% declarando que não votariam no representante do PSDB “de jeito nenhum”.

Brasil critica EUA por fim da neutralidade da rede

O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, criticou a decisão dos Estados Unidos de acabar com a neutralidade da rede no país. Com a mudança, os provedores de internet poderão controlar e limitar o fluxo de dados dos usuários de acordo com o serviço contratado. “A revogação da neutralidade da rede nos Estados Unidos fere um de seus princípios mais importantes: a liberdade de conexão. Ainda bem que no Brasil o Marco Civil da Internet nos protege de medidas dessa natureza!”, afirmou Nunes, pelo Twitter.

Teles brasileiras também querem

A teles brasileiras também querem o fim da neutralidade de rede e agora estão estimuladas depois da decisão dos EUA. Elas querem que o presidente Temer reveja o Marco Civil da Internet, que garantiu um só valor pelo tráfego realizado pelo internauta. Se isso acontecer, será preciso pagar por serviços digitais diferenciados.

Aposentadoria especial para juízes e procuradores é criticada

Há um forte lobby das entidades representativas de juízes e procuradores para que seja concedida a eles um regime previdenciário privilegiado na reforma da Previdência. Representantes de outras categorias do serviço público, que refutam a pecha de terem privilégios, atentam para o de que aqueles que lutam contra corrupção e desmandos no serviço público, no caso os magistrados e membros do Ministério Público, é que querem privilégios, “numa postura vergonhosa e injusta”.

Supremo aprova poder das polícias Federal e Civil negociarem delações

Uma decisão polêmica e que certamente irá amplificar os conflitos já declaradores entre polícias federais e procuradores da República foi aprovada pelo Supremo: permitir que as polícias Federal e Civil tenha também o poder de negociar acordos de delação premiada. Na última quinta (14) já estava formada a maioria de 6 votos a favor e um contra quando decidiu-se adiar o julgamento para hoje para que os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, que estavam em viagem, pudessem votar.

Luislinda deixa PSDB para manter-se no cargo

Em mais uma decisão controversa, a ministra dos Direitos Humanos, Mulheres e Igualdade Racial, Luislinda Valois, decidiu se desfiliar do PSDB. A iniciativa, em tese, a garante no cargo, já que o presidente Temer está substittuindo todos os ministros tucanos, virtualmente rompidos com o Palácio do Planalto. Ocorre, no enanto, que o cacife de Luislinda não é nenhuma Brastemp. Ela ocupa um cargo importante, mas sem respaldo partidário forte pode não se manter na pasta. Luislinda Valois não tem votos – teve menos de 10 mil votos na disputa para deputada federal na Bahia – e muio menos possui um grupo político. Aguardemos os desdobramentos.

PREVIDÊNCIA

Reforma fica para depois do Carnaval

Como previmos aqui, a reforma da Previdência dificilmente seria votada ainda este ano na Câmara dos Deputados. Assim como no Senado, a previsão de votação acontecerá somente em fevereiro do ano que vem, com a volta do recesso parlamentar e depois do Carnaval. O governo avaliou que não conseguirá a margem de segurança de 330 votos, como expressou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Ele próprio anunciou que vai colocar a proposta em votação no plenário no dia 19 de fevereiro.

DEM quer lançar Maia presidente

Falando em Maia, o presidente da Câmara poderá ser mais um candidato a presidente da República. Pelo menos é o que deseja um grupo do DEM, seu partido. O lançamento poderá acontecer hoje mesmo, durante ato de filiação do deputado federal Danilo Fortes à legenda. Maia, no entanto, tem afirmado que vai concorrer à reeleição de deputado e tentará novamente ser presidente da Casa.

Frase do Dia

“Eu vou tomar decisão sobre minha possível candidatura … cerca de março, começo de abril do próximo ano. A partir daí existe sim possibilidade, e vamos ver como se desenvolve o quadro, de eu ter o apoio do governo”.

Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *