Articulações visando as eleições presidenciais são o destaque desta sexta-feira (18). Confira essas e outras notícias na coluna do JPM

Articulações

O risco de candidatos de partidos de centro ficarem fora do segundo turno da eleição presidencial acendeu o sinal de alerta entre os líderes dessas legendas. Entre eles, já se fala até em renúncia durante o primeiro turno dos postulantes desse segmento em favor do que estiver mais bem posicionado, caso nenhum esteja pelo menos na segunda colocação. O tema tem sido discutido entre líderes de PSDB, DEM e PPS, mas, por enquanto, avaliação é que neste momento os partidos de centro têm todos os motivos para manter seus candidatos à Presidência da República.

  Superávit

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, informou que o governo já trabalha com uma previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano em torno de 2,5%. “Nossa previsão é que fique entre 2,5% e 3%. Hoje, na análise feita, a tendência é projetando mais para direção dos 2,5%. Nós, no governo, preferimos não trabalhar com número superior a 2,5%”, disse.

Analfabetismo

De 2016 a 2017, a taxa de analfabetismo no país entre pessoas com 15 anos ou mais de idade foi estimada em 7%, uma queda de 0,2 ponto percentual em relação aos 7,2% registrados em 2016, o equivalente a menos de 300 mil pessoas. Apesar da queda, o país registrava em 2017, 11,5 milhões de analfabetos. Os dados fazem parte da pesquisa Educação 2017, que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou hoje.

 M de Meirelles

Com a eventual campanha de Michel Temer à reeleição cada vez mais inviabilizada, as chances de Henrique Meirelles ser o candidato do MDB ao Palácio do Planalto aumentaram. Diante disso, o presidente passou a chamar o ex-ministro para as viagens que faz. Hoje os dois estarão juntos em Patos de Minas (MG), em um evento de entrega de casas populares. No sábado (19), Temer e Meirelles viajarão para Guarujá (SP). As chances de Meirelles ser o candidato aumentaram principalmente em razão do quadro de completa indefinição sobre o melhor nome para representar o campo de centro na eleição de outubro.

Pracinhas

Com a presença do coronel Nestor da Silva, o presidente Michel Temer inaugurou em Brasília a exposição “Entre a Saudade e a Guerra”, no Palácio do Planalto. Na mostra, são exibidos documentos e fotos que contam a história da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na Itália durante a Segunda Guerra Mundial. Durante o discurso de inauguração da mostra, Temer citou o “exemplo” dos soldados brasileiros durante a guerra, acrescentando que a Força Expedicionária tinha “devoção” ao país e atuou em nome da democracia.

Em grande estilo”

Para os procuradores do Ministério Público Federal (MPF),  a fuga do doleiro René Maurício Loeb do Rio de Janeiro foi em alto estilo. Conforme a acusação, após se envolver em transações irregulares de até R$100 milhões, Loeb pegou o cruzeiro MSC Precioza, partiu para a Europa, e lá pretende ficar. O destino, convenientemente, foi a Alemanha, país que Loeb tem nacionalidade. A defesa de Loeb nega que o cliente tenha tentado driblar a Justiça. Alegou que “a viagem por mar deveu-se ao precaríssimo estado de saúde” dele.

Pesquisa

O TSE rejeitou pedido do deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ) para inserir na divulgação de uma pesquisa de inteção de votos uma nota de esclarecimento sobre uma pergunta realizada pelo instituto. Na ação, Bolsonaro questionava a pergunta o eleitor era indagado se tinha conhecimento sobre “denúncia” do aumento de patrimônio da família do deputado desde o início de sua carreira política. Ele alegou que ele nunca foi acusado por enriquecimento ilícito e que a pergunta, ao informar um fato inverídico, prejudicava sua imagem, induzia a rejeição do eleitor e fazia propaganda antecipada em favor de Lula.

Corrupção passiva

A condenação do ex-senador Gim Argello foi mantida pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre, por voto de maioria, durante julgamento nesta quinta-feira (17). O político foi preso em abril de 2016 na Operação Lava Jato, e condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro a 11 anos e 8 meses. Um dos advogados de Argello, Marcelo Lebre, informa que irá aguardar a publicação do acórdão desta decisão para avaliar a possibilidade de um próximo recurso.

 Prende o homem!

A PGR enviou ao STF um parecer contrário ao pedido apresentado pela defesa do ex-ministro José Dirceu, que tenta evitar a prisão. O pedido do petista foi apresentado no mês passado, quando não havia iminência de Dirceu ser preso. Na ocasião, o relator, ministro Dias Toffoli, rejeitou conceder liminar que impedisse a prisão e encaminhou o caso para julgamento na Segunda Turma do tribunal. O TRF4 rejeitou recursos e autorizou a prisão de Dirceu, que para ser efetivada precisa ser determinada pelo juiz Sérgio Moro. A decisão foi dada dentro de um processo da Operação Lava Jato que investiga irregularidades na Diretoria de Serviços da Petrobras.

Delações da J&F

A defesa de Guido Mantega pediu ao ministro Luiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, que não envie ao juiz federal Sérgio Moro os trechos das delações do grupo J&F referentes ao ex-ministro da Fazenda. Os advogados de Mantega questionaram na Corte o pedido da Procuradoria Geral da República para que trechos das delações sejam remetidos ao juiz de primeira instância. Nesta quarta (16), a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apresentou pedido semelhante.

Vantagens Indevidas

O delegado Marlon Cajado, da PF pediu ao STF que decida se uma investigação relacionada ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) deve ficar na Corte ou ser remetida à primeira instância da Justiça. O pedido será analisado pelo ministro Ricardo Lewandowski, relator do processo, que não tem prazo para decidir. Aécio é alvo de um inquérito que apura o suposto pagamento de vantagens indevidas pela Odebrecht a políticos, a pedido do tucano. Desde que as delações de ex-integrantes da empreiteira se tornaram públicas, no ano passado, o senador do PSDB tem negado todas as acusações.

Propina

Polícia Federal concluiu um inquérito que tem a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) entre os investigados e, no relatório, afirma ter encontrado evidências de que a presidente do PT recebeu R$ 1 milhão em propina. Em nota, Gleisi criticou o “vazamento” de informações sobre o relatório, acrescentando ser “vítima de calúnia e de perseguição”. O relatório da PF foi enviado em março ao ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF). Neste inquérito, o ex-ministro do Planejamento e das Comunicações Paulo Bernardo também é investigado – ele é marido de Gleisi.

J&F

O Ministro Edson Fachin, do STF deu três dias para a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, esclarecer quem será investigado no inquérito que apura repasses da J&F a políticos do MDB. Fachin autorizou a abertura do inquérito, a pedido da PGR. Mas, nesta quinta (17), entendeu que, embora nomes de políticos sejam citados, não está especificado quem deve ser investigado. O inquérito é baseado nas delações de Sérgio Machado, ex-senador pelo MDB e ex-presidente da Transpetro, e de Ricardo Saud, ex-executivo da J&F.

Alerta

Ministros do TSE começaram a discutir nos bastidores soluções para evitar que eventuais estratégias da defesa empurrem para meados de setembro, a menos de um mês da eleição, a indefinição sobre a candidatura do ex-presidente Lula. Os ministros estão em alerta com uma possível manobra jurídica do PT para que, mesmo inelegível devido à Lei da Ficha Limpa, Lula tente adiar ao máximo a rejeição do registro da candidatura pelo TSE. Nessa hipótese o TSE poderia ficar sem condições técnicas para retirar da urna eletrônica o nome e a foto de Lula, ainda que o candidato do PT venha a ser outro.

Medalhões

A Procuradoria Geral da República pediu que depoimentos do operador financeiro e delator Lúcio Funaro sejam juntados ao inquérito que investiga os senadores Romero Jucá (MDB-RR) e Renan Calheiros (MDB-AL). O pedido foi feito ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal. O inquérito investiga o suposto pagamento de R$ 5 milhões em propina ao senador Romero Jucá, que afirmava falar também em nome do senador Renan Calheiros.

Frase do dia

“Para o Ministério da Defesa esse tema aí (documentos da CIA sobre ditadura), ele se esgota na Lei da Anistia. A partir daí, é uma atividade para historiadores e, se houver demanda, para Justiça”

Torquato Jardim, Ministro da Justiça

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *