Buriti: Governadores se reúnem para pedir socorro aos Estados

Ibaneis fez duras críticas a Bolsonaro, após presidente ordenar que quarteis de todo o país comemore o golpe de 1964 no próximo dia 31

Por John Macário

O governador do Distrito Federal Ibaneis Rocha recebeu nesta terça-feira (26) os governadores dos 27 Estados, no palácio do Buriti. O intuito deste fórum é tratar da definição de medidas emergenciais de ajuda financeira aos Estados e o descontigenciamento de fundos que tratam de segurança pública.

Antes de entrar no encontro, João Doria, governador de São Paulo, disse ser favorável à proposta. Doria falou que o impasse entre Executivo e Legislativo foram superados e alertou que o momento é promover diálogo, equilíbrio, bom senso e serenidade” para o avanço dos debates.

O primeiro governador a se pronunciar após a reunião foi o chefe de estado do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, que ressaltou que os governadores expuseram ao ministro da Economia, suas preocupações políticas com a condução da reforma da Previdência.

“Deixamos claras as preocupações dos governadores sobre relação entre governo Congresso. Queremos que a decisão sobre a reforma da Previdência se dê o mais rápido possível. Se o ambiente político retarda a aprovação da Previdência, os Estados terão menos tempo para aprovarem medidas complementares juntos às Assembleias Legislativas”, afirmou.

O anfitrião do encontro ressaltou que Paulo Guedes tem o apoio e confiança dos estados, mas cobrou definição mais clara e dedicação da pauta política do governo Jair Bolsonaro e fez duras críticas ao governo bolsonarista que ordenou comemoração ao golpe militar de 1964.  “Colocar como comemoração o 31 de março, como se não tivesse havido uma revolução e partidos que sofreram com ela. Isso não contribui com a pauta política”.

O ministro da economia, Paulo Guedes, deixou o encontro sem falar com a imprensa, após a confirmação de adiamento de sua ida a uma audiência pública na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, para debater a reforma da Previdência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *