Ao ser empossado, ministro Fábio Faria prega ‘armistício patriótico’ entre poderes, enquanto militares podem se distanciar

BANDEIRA BRANCA

Em meio à escalada da crise entre Poderes, o novo ministro das Comunicações, Fábio Faria (PSD), pediu um “armistício patriótico” em sua cerimônia de posse no Palácio do Planalto, nesta quarta-feira (17), na presença dos presidentes da República, Jair Bolsonaro (sem partido), do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).“O grave momento também exige de nós compreensão, abertura ao diálogo. Se é tempo de levantarmos a guarda contra o novo coronavírus, também é hora de um armistício patriótico e deixarmos a arena eleitoral para 2022”, disse Faria.

“É preciso sobretudo respeito e que deixemos nossas diferenças político-ideológicas de lado para enfrentarmos esse inimigo comum que tem lamentavelmente tirado a vida de pessoas e gerado danos incalculáveis à economia. É hora de pacificar o país”, afirmou o novo ministro das Comunicações.

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

O novo ministro das Comunicações, Fábio Faria, exaltou a força da mídia e a importância da liberdade de expressão e prometeu trabalhar pela inclusão digital e pela implementação da tecnologia 5G no país. Ao tomar posse, nesta quarta-feira (17/6), Faria destacou o momento desafiador da pandemia e disse que é hora de deixar a arena eleitoral para 2022.

CENTRÃO PRESENTE

A cerimônia presencial -¨com aglomeração, apertos de mão e algumas pessoas sem máscara – levou de volta ao Planalto nomes do centrão, como os presidentes do PSD, Gilberto Kassab, Progressistas, senador Ciro Nogueira (PI), do MDB, deputado Baleia Rossi (SP), e do Republicanos, Marcos Pereira (SP).

DISTANCIAMENTO MILITAR

Em entrevista à DW Brasil concedida em seu gabinete nesta terça-feira (16/06), o ministro Gilmar Mendes disse considerar possível que militares do Alto Comando venham a público afirmar seu distanciamento do governo. “Saíram pesquisas que indicam que está havendo uma identificação entre as Forças Armadas e o governo Bolsonaro, em tom negativo. Acho que isso vai se perceber. No caso da Saúde, está sendo altamente desgastante”, diz. “Tenho dito que as Forças Armadas não são milícias do presidente da República, nem de força política que o apoie.”

AUTORIDADE EM DUVIDA

 

Ao mesmo tempo, Mendes colocou em dúvida a autoridade do ministro da Defesa, Fernando Azevedo, para falar em nome dos militares. Na última sexta-feira, Bolsonaro divulgou uma nota, também assinada por Azevedo e pelo vice-presidente, Hamilton Mourão, afirmando que as Forças Armadas “não aceitam tentativas de tomada de Poder por outro Poder da República, ao arrepio das Leis, ou por conta de julgamentos políticos” – há ações sob análise do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que pedem a cassação da chapa eleita em 2018 e diversos pedidos de impeachment do presidente foram apresentados à Câmara.

CHEGANDO A HORA

Em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, na manhã desta quarta-feira (17), o presidente Jair Bolsonaro disse que não será o primeiro a agir e, sem se referir diretamente a quem, disse que estão abusando e que está “chegando a hora” de tudo ser posto no seu lugar. “Eu estou fazendo exatamente o que tem que ser feito. Eu não vou ser o primeiro a chutar o pau da barraca. Eles estão abusando, tá? Isso está a olhos vistos”, afirmou o presidente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *