Supremo Tribunal Federal encurta caminho para reeleição na Câmara e no Senado

CENTRO DO FURACÃO

Valter Campanato/Agência Brasil)

A votação para permitir que Rodrigo Maia (DEM) e Davi Alcolumbre (DEM) possam concorrer a reeleição na Câmara e no Senado, respectivamente, dividiu opiniões não apenas no Supremo Tribunal Federal (STF), mas também no Congresso Nacional. Na verdade, o que há é um jogo de interesses de ambos os lados. Os ministro do STF têm um prazo até o dia 11 para incluir os votos no sistema, sem votação oral e discussão. De qualquer forma o STF está no centro do furacão.

TÁ DECIDIDO

No entanto o placar já está em 4 a 1 pela reeleição. Gilmar Mendes votou pela possibilidade de reeleição e foi seguido por Alexandre de Moraes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski. O ministro Nunes Marques votou no sentido de permitir a reeleição apenas uma vez, independentemente se ocorre dentro da mesma legislatura ou não. A ADIn é do PTB e pede para que seja proibida a recondução dos presidentes das casas legislativas do Congresso.

 GOSTO PELO PODER

Se eleito novamente para presidir a Câmara, Rodrigo Maia partirá para o terceiro mandato. Ele assumiu a presidência da Casa para um mandato-tampão por seis meses, em 2016, quando Eduardo Cunha renunciou. Em 2017, Maia elegeu-se por dois anos. No ano passado, conseguiu ser reconduzido ao cargo. O mandato termina no começo de 2021. Já Davi Alcolumbre também não esconde que vai tentar a reeleição. Ele ainda está no primeiro mandato.

MUDA SENADO

Pelo menos 14 senadores do movimento Muda Senado, se posicionam contra a possibilidade de reeleição. Para Álvaro Dias (Podemos-PR), os votos inseridos até agora “contrariam o que estabelece a Constituição, a fim de permitir a reeleição”. O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) vai mais longe e chama de “golpe” os votos inseridos até agora. No início da semana eles lideraram o movimento contra a recondução de Alcolumbre e Maia.

DICAS DE ECONOMIA

Isac Nóbrega/PR

Quando se imaginou que o presidente Jair Bolsonaro fosse anunciar um pacote de obras para resolver o problema da oferta de energia, principalmente na região norte, em live ele deu dicas de economia e provocou críticas na Imprensa. “Um apelo que eu faço a você: apague uma luz em casa agora. Se for possível, ligue o ar condicionado mais tarde. Desligue mais cedo. Não bote naquela temperatura máxima. Fica bacana dormir ali com 12ºC, 15ºC. Tem gente que gosta. Passa para para 18ºC, 19ºC. Ajude a gente”, apontou, emendando que a população adote banhos rápidos também.

TESTE DE HONESTIDADE

O governo federal vai enviar nos próximos dias mensagens SMS para 2,6 milhões de brasileiros que receberam indevidamente o auxílio emergencial. O objetivo é cobrar a devolução dos valores, embolsados por pessoas que não faziam jus à ajuda criada pelo governo durante a pandemia da covid-19. Se cada um restituir pelo menos uma parcela de R$ 600, o valor recuperado chegaria a R$ 1,574 bilhão. É lógico que quem recebeu o dinheiro de forma desonesta não vai se transformar em honesto da noite para o dia. O caso é de Polícia mesmo.

Leia Também:  Comitê do Fogo orienta produtores rurais para prevenção de incêndios

PEGOU MAL

A movimentação de promotores de Justiça de São Paulo para pedir ao governo estadual que a categoria tivesse prioridade para receber a vacina contra a covid-19 pegou mal. O pedido seria encaminhado pelo Conselho Superior do Ministério Público ao gabinete de crise do governo estadual, criado para o enfrentamento da pandemia. Segundo o Ministério da Saúde, a prioridade será dada a grupos considerados mais vulneráveis como idosos acima de 75 anos, pessoas com comorbidades, profissionais de saúde e indígenas.

ENQUANTO ISSO…

Elza Fiuza /Agência Brasil

Em outubro, 100 mil pessoas residentes aqui no Distrito Federal abandonaram o isolamento social. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Covid-19, realizada pelo IBGE, este número é cerca de 49,25% maior que o registrado em setembro, de 67 mil pessoas fora do isolamento social. A pesquisa também mostra que 1,241 milhão brasilienses reduziram o contato com outras pessoas, mas continuaram saindo de casa e recebendo visitas. Em setembro, este número era de 1,057 milhão. Talvez por isso a situação aqui esteja tão alarmante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *