Senadores cobram saída do ministro Ernesto Araújo após ataque a Kátia Abreu

ataque do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, a senadora Kátia Abreu (PP-TO), provocou uma forte reação de outros senadores ontem (28).

Nas redes sociais, os parlamentarem saíram em defesa de Kátia, criticaram o chanceler e voltaram a pedir sua saída. “Ernesto e democracia não andam juntos”, publicou Simone Tebet (MDB-MS).

O que aconteceu?

Na tarde deste domingo, o ministro publicou nas redes sociais sobre um almoço que teve com a senadora Kátia Abreu no início de março. Nele, ele alega que teria ouvido dela que se tornaria o “rei do Senado” se fizesse um gesto em relação ao 5G, mas que não fez “gesto algum”.

Para interlocutores do Planalto ouvidos pelo comentarista Gerson Camarotti, o ataque direcionado à senadora, que é presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, é um ato de desespero de Araújo, cujo cargo já estaria sendo sondado pelo Planalto.

Ernesto Araújo diz que senadora Kátia Abreu sugeriu gesto por 5G

Ernesto Araújo diz que senadora Kátia Abreu sugeriu gesto por 5G

A avaliação é a de que o ministro busca uma saída honrosa ao adotar o discurso de vítima, estratégia vista anteriormente com Abraham Weintraub, ex-ministro da Educação, pouco antes de ele deixar o MEC.

No Senado, parlamentares afirmaram ao blog da Andréia Sadi que veem no ataque de Ernesto uma ação “orquestrada” que conta, inclusive, com o apoio dos filhos de Jair Bolsonaro e que não passa de uma “cortina de fumaça”.

“Desvio marginal”

A senadora Kátia Abreu se defendeu do ataque de Ernesto e, em nota, afirmou que é “uma violência resumir três horas de um encontro institucional a um tuíte que falta com a verdade”.

“Se um chanceler age dessa forma marginal com a presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado de seu próprio país, com explícita compulsão belicosa, isso prova definitivamente que ele está à margem de qualquer possibilidade de liderar a diplomacia brasileira.Temos de livrar a diplomacia do Brasil de seu desvio marginal”, disse a senadora.

Repercussão no meio político

A senadora Simone Tebet foi uma das mais contundentes ao criticar Araújo e afirmou que “não há opção” a não ser sua saída. Ela disse ainda que o ministro planta insinuações e lança “sementes de joio nos campos da democracia”: “Quando menos a gente espera a democracia se vê sufocada”.

“Não adianta somente podá-lo, porque a poda vai fortalecer a planta. Desse joio é preciso arrancar as raízes, fertilizar as mudas democráticas e ‘forjar na democracia o milagre do pão’. Ernesto e democracia não andam juntos. Não há opção. Democracia fica. Ernesto tem de sair’, escreveu Simone Tebet.

Alessandro Vieira (Cidadania-SE) fez coro às palavras da colega e embora diga que a decisão de manter ou não um ministro cabe a Jair Bolsonaro, afirmou que a permanência do ministro é um “grave erro e terá consequências”.

“Demitir ou manter um ministro é obviamente prerrogativa exclusiva do presidente da República, mas é oportuno registrar que a manutenção de um ministro incompetente, irresponsável e que trabalha contra os interesses nacionais é um grave erro e terá consequências.”

Para Humberto Costa (PT-PE), Araújo está fazendo “hora extra”.

“Faz tempo que o chanceler Ernesto Araujo está fazendo hora extra no cargo. Peça para sair, ministro”, publicou o senador de Pernambuco.

Rodrigo Pacheco, presidente do Senado:

“A tentativa do ministro Ernesto Araújo de desqualificar a competente senadora Kátia Abreu atinge todo o Senado Federal. E justamente em um momento que estamos buscando unir, somar, pacificar as relações entre os Poderes. Essa constante desagregação é um grande desserviço ao País.”

Davi Alcolumbre (DEM-AP), ex-presidente do Senado:

“Meu incondicional apoio à presidente da comissão de Relações Exteriores do Senado, Kátia Abreu. A insinuação irresponsável por parte de um ministro não é somente um desrespeito ao Senado Federal. É um ato contra todos que constroem a longa e honrosa tradição da diplomacia brasileira.”

Rodrigo Maia (DEM-RJ), ex-presidente da Câmara:

“Senadora Kátia Abreu, minha solidariedade. De fato este ministro já deveria ter saído. É um irresponsável.”

Randolfe Rodrigues (Rede-AP):

Em tom de desespero, o Sr. Ernesto Araújo resolveu atacar o Senado, ofendendo a senadora Kátia Abreu. Semana passada, quando o ministro esteve no Senado, parecia um gatinho covarde. Veio para o Twitter porque aqui, assim como os que o sustentam no cargo, ele ruge como um leão. Este ataque tem que ser compreendido por nós como um ataque a todas as instituições democráticas. É inaceitável que este senhor permaneça uma hora sequer a mais no cargo de representante da nossa diplomacia. Bem mais que repúdio, queremos a saída IMEDIATA de Ernesto Araújo.”

Ciro Nogueira (PP-PI):

“No momento em que há um grande esforço para a pacificação e o entendimento, lamento muito que justamente o responsável por nossa diplomacia venha a criar mais um contencioso político para as instituições. O Brasil e o povo brasileiro não merecem isso.”

Mecias de Jesus (Republicanos-RR):

“O ministro Ernesto Araújo tem passado dos limites, pois vem comprometendo as relações internacionais do Brasil com outros países parceiros. E agora, ultrapassa ainda mais os limites com o Senado Federal. Em meu entendimento ele é um brincante!”

Pressão por saída não é nova

Esta não é a primeira vez que senadores se pronunciam publicamente contra Ernesto Araújo ou exigindo que ele saia do Itamaraty. Na quarta-feira passada (24), o chanceler participou de uma sessão no Senado para falar de seu trabalho para comprar mais vacinas contra a Covid-19 e ouviu de pelo menos sete parlamentares que ele deveria pedir para sair (assista ao vídeo abaixo).

Araújo foi duramente criticado pela conduta do Ministério das Relações Exteriores no combate à pandemia e respondeu dizendo que “dorme com a consciência tranquila”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *