CNJ nega pedido da OAB-DF para alterar regimento interno do STJ

Cabe aos tribunais, no exercício de sua autonomia conferida constitucionalmente, elaborar os seus regimentos internos.

Com base nesse entendimento, o conselheiro Mário Guerreiro, do Conselho Nacional de Justiça, indeferiu procedimento de controle administrativo, com pedido liminar, proposto pela seccional da OAB do Distrito Federal contra os artigos 184-E e 184-G do Regimento Interno do Superior Tribunal de Justiça (RISTJ.

No pedido, a OAB-DF argumenta que a sistemática adotada pela corte, constante dos artigos 184- E e 184-G do regimento, indicaria que, uma vez iniciado o julgamento virtual, não seria disponibilizado ao advogado o acesso ao voto do relator, já inserido no sistema e liberado aos demais ministros. Além disso, não seria dada ao público a oportunidade de acompanhar o andamento dos votos dos demais integrantes do respectivo órgão colegiado.

A OAB-DF também sustenta que o RISTJ viola os princípios da publicidade, do acesso à informação, do contraditório e da ampla defesa e afronta as prerrogativas dos advogados. Também entende não ser cabível a imposição de restrições à plena liberdade profissional.

Ao analisar o caso, o conselheiro cita uma série de precedentes do CNJ que reafirmam a autonomia dos tribunais na elaboração de seus regimentos internos. “O acolhimento do pedido formulado nestes autos, consistente na invalidação de norma regimental por inconstitucionalidade, implicaria, a um só tempo, a usurpação da legitimidade para ajuizamento de ação direta de inconstitucionalidade, que é do Conselho Federal da OAB (artigo 103, VII, da CRFB), pela seccional da OAB do Distrito Federal, como também a usurpação da competência constitucional para seu julgamento, que é do STF (artigo 102, I, ‘a’, da CRFB), por este Conselho Nacional de Justiça”, explicou o conselheiro.

Da redação com o ConJur

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *