Valdemar cria problema com deputados do PL em SP por Bolsonaro

A filiação de Bolsonaro ao PL e a migração de seguidores do presidente para o partido provocou nova confusão entre Valdemar da Costa Neto, o chefe do PL, e os deputados federais de São Paulo. O motivo da encrenca está na divisão do fundo partidário entre os políticos com mandato e os bolsonaristas que entrarão na sigla.

Valdemar havia feito um acordo para distribuir cerca de R$ 2 milhões do fundo partidário para os oitos deputados da bancada do PL e para mais dois políticos de confiança que estão sem mandato. Com a entrada de bolsonaristas para disputar a eleição em São Paulo, Valdemar precisará refazer os cálculos para repartir essa quantia entre todos.

O PL espera que Eduardo Bolsonaro, Carla Zambelli e Coronel Tadeu consigam se reeleger no estado com ampla votação.

O partido também deve dar destaque para as candidaturas à Câmara de Frederico d’Ávila, hoje deputado estadual pelo PSL, do Tenente Mosart Aragão, assessor especial de Bolsonaro, e do coronel da reserva Ricardo Augusto Nascimento de Mello Araújo, que preside a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp).

Há ainda uma indefinição sobre o deputado Luiz Philippe O. Bragança, cortejado pelo PTB para disputar o Senado, e sobre o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, que não definiu para qual cargo se candidatará.

Além da repartição do fundo para os deputados, o PL terá de se organizar para investir na candidatura de Bolsonaro e no lançamento de uma chapa para concorrer ao governo de São Paulo. O partido iria apoiar Rodrigo Garcia, mas o presidente insiste em ter o ministro Tarcísio de Freitas como candidato.

Se a conta não fechar, Valdemar fatalmente presenciará a saída de alguns nomes da legenda.

 Da redação com o Metrópoles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *